30 anos de IPad

Gravação perdida de discurso de Steve Jobs revela que conceito foi criado em 1983

Uma gravação de um discurso que Steve Jobs fez numa conferência sobre design, em 1983, está a circular na internet e revela que o antigo líder da Apple já estava a desenvolver o conceito que inspirou a criação do iPad.

Na altura, Jobs afirmou que a sua empresa pretendia introduzir dentro de um livro “um bom computador”, de maneira a que esse pudesse ser transportado com facilidade e que fosse fácil e rápido de utilizar. A aspiração do então jovem empresário era que a Apple concretizasse essa ideia ainda na década de 80.

A gravação, que mostra que o produto é o mesmo que a empresa lançaria no mercado mais de 20 anos depois, foi descoberta por Marcel Brown, um blogger e especialista em informática norte-americano, que acrescenta que o registo prova também como Steve Jobs estava muito à frente do seu tempo.

Microsoft troca logo depois de 25 anos

Fora com o velho, entra o  novo – logo, isso é. Como Redmond se prepara para liberar o Windows 8 e uma onda de outros produtos novos, ele faz uma limpeza pouco design.

A Microsoft tem um logotipo novo para ir com todas as marcas novos produtos que tem estão vindo.

O novo projeto usa a longa logotipo do Windows como seu ponto de partida, mas já foram as bordas onduladas de que mais olhar. O elemento gráfico da nova logomarca é uma imagem quadrada de despedida: as cores permanecem as mesmas, e na mesma ordem, mas agora eles estão dentro de uma caixa quadrada. Equiláteros lados, ângulos de 90 graus, ta-da!

No geral, o logotipo da atualização é tanto o gráfico colorido à esquerda e a  “Microsoft” para a direita.

A mudança não virá a qualquer momento, de idade para a Microsoft. A empresa tem uma série grave de principal produto libera chegando esta queda, incluindo o Windows 8 , Windows Phone 8 , e “uma das ondas mais significativas de lançamentos de produtos da história da Microsoft”.

Tem sido 25 anos desde que nós atualizaram o logotipo da Microsoft e agora é o momento perfeito para uma mudança. Este é um ano incrivelmente excitante para a Microsoft enquanto se preparam para lançar novas versões de quase todos os nossos produtos. A partir do Windows 8 para Windows Phone 8 e o Xbox serviços para a próxima versão do Office, você verá uma aparência comum em todos estes produtos que proporcionam uma experiência familiar e sem costura em PCs, telefones, tablets e TVs. Esta onda de novos lançamentos não é apenas uma releitura dos nossos produtos mais populares, mas também representa uma nova era para a Microsoft, então o nosso logotipo deve evoluir para visualmente acentuar este novo começo.

 

 

 

Não é certamente por acaso que o logotipo da Microsoft novo tem o mesmo tipo de olhar de azulejos  que caracteriza o Windows Phone e Windows 8.

 

O logotipo do Windows ondulado.

O novo logotipo já está aparecendo em três lojas de varejo da Microsoft: na Vila de Seattle University, em Bellevue, Washington, e na loja de Boston, onde Jim CNET Kerstetter .Elevai aparecer em outras lojas ao longo dos próximos meses, e em anúncios da empresa de televisão a nível mundial.Ele também vai, é claro, a graça Microsoft.com.

O antigo logotipo pode demorar em alguns lugares por um tempo. “Totalmente implementação de uma mudança como essa leva tempo”, diz a empresa.

Para você font fanáticos lá fora, as letras em “Microsoft” que acompanha a nova logomarca.

 

Open-Source na empresa: afinal, é possível?

Muito se apregoa sobre o uso de soluções open-source no mundo comercial como sendo algo economicamente viável e sem problemas de vírus, entre outras vantagens. Pouca gente tem condições para testar, avaliar e até mesmo defender o uso do open-source, seja por encarar como “perda de tempo”, seja por considerar que “soluções de mercado são mais fáceis de instalar e administrar”. Some a isso a falta de suporte “oficial” (a maioria recorre a fóruns e wikis), com o fato de o código-fonte estar disponível na Internet, e com o fato dos mais “nervosos” de plantão criarem uma celeuma, instalando o medo de usar aquela solução que parece (e muitas vezes é) tão boa.

Nem sempre soluções open-source baseadas em Linux são as mais indicadas, mas, hoje, muitas delas são oferecidas prontas, na forma de distros específicas para configuração de appliances.Permitindo, assim, a implantação muito rápida de praticamente qualquer coisa que se deseje. Vamos estudar alguns casos onde é possível implementar (e administrar) facilmente uma infraestrutura baseada em open-source para atender a qualquer necessidade de pequenas e médias empresas, com um investimento mínimo. Não entrarei em detalhes técnicos de configuração (howto’s), devido ao fato de que cada ambiente é único, e que a ideia é fomentar a experimentação dessas soluções – como eu fiz e tenho feito no dia-a-dia. Há bastante documentação nos fóruns dos desenvolvedores, basta procurar e adaptar.

Telefonia

O Asterisk é o líder inconteste das soluções VoIP open-source. A Digium, que criou o sistema para rodar em seu hardware, sustenta uma ampla comunidade de desenvolvimento e suporte e há cursos e treinamentos que, apesar de um pouco caros, oferecem as condições básicas para o profissional de TI mexer na plataforma. E até mesmo sem cursos formais! Quem se sentir confortável para aprender fuçando com os tutorias da Iternet e e-books sobre o assunto, pega o jeito. É fácil encontrar informação para setup e fóruns de discussão sobre todo tipo de problemas.

E o hardware? O Asterisk pode rodar na grande maioria dos hardwares x86 e x64 disponíveis no mercado (e até em máquinas mais velhinhas, desde que o número de ramais não seja elevado) e existem muitos fornecedores de placas FXO e FXS com preços relativamente baixos. Com um investimento inferior a R$5 mil, é possível montar um ótimo servidor Asterisk usando um bom processador com cache de pelo menos 4MB e um disco rígido SATA qualquer, uma placa E1 com DSP e cancelamento de eco, e um DDR E1, com 100 ramais e 30 canais – e isso é metade do valor de uma central de PABX comercial. E se a demanda não é massiva na telefonia, até uma plaquinha com processador embeeded, boot por flash drive e uma boa interface FXO para a linha telefônica convencional serve.

Mas quem precisa de hardware? Com o advento da Amazon no Brasil, ficou muito mais fácil ter um Asterisk – sem comprar hardware e sem esquentar os miolos para montar e instalar a coisa toda, pois existem AMIs específicas para subir seu Asterisk facilmente e em 90 segundos (existem AMIs da Voxilla prontinhas para subir um Asterisk, como o FreePBX e AsteriskNow). Após criar a instância, é necessário criar um Security Group com as portas para rodar o HTTP, SIP, SSH e os demais serviços necessários ao funcionamento do Asterisk. Um detalhe: já que é um PABX virtual e não tem o hardware DSP para o processamento de áudio e cancelamento de eco, o processamento de voz demanda muita CPU – pegue uma instância Small com 5 ECUs, se a demanda de telefonia for mais alta que um escritório comercial.

Tela de administração do FreePBX, disponível como AMI na Amazon Web Services.

Mas, se o Asterisk é virtualizado, como integrá-lo à rede telefônica pública? Existem provedores de serviços VoIP no Brasil que oferecem trunks SIP que já veem integrados à rede telefônica pública – com isso você não precisa de links mistos de voz e dados, placas FXO ou FXS, e pode integrar vários escritórios numa única plataforma convergente. Pode-se instalar ATAs, ou media gateways multicanais, nos escritórios e usar telefones comuns na infraestrutura VoIP – e o melhor, se houver a mudança de local a única coisa necessária é a internet funcionando no novo endereço. Pode-se, também, até oferecer o home-office aos colaboradores – eles podem atender os ramais onde estiverem porque estes se tornam portáteis.

E por falar em portabilidade de ramais, também é possível instalar o ramal do Asterisk na maioria dos smartphones modernos que rodam Android, Windows Phone ou iOS, e até tablets. Basta instalar soft-fones SIP clients nos mesmos. Não recomendo o uso em 3G, devido ao desempenho um tanto quanto insuficiente no Brasil, mas se houver Wi-Fi ao alcance, é certo que poderá utilizar seu ramal na lanchonete, num café, no aeroporto ou em qualquer lugar do mundo onde houver uma conexão wireless.

Armazenamento de dados

Quem não conhece o bom e velho Samba? Qualquer distro Linux pode incorporar um servidor de arquivos para usuários Windows com uns poucos cliques de mouse (ou toques de teclado, se usar o SSH). Mas e se você tivesse uma maneira de instalar rapidamente um servidor com tudo o que fosse necessário (e mais) para distribuir arquivos numa rede SoHo? Essa maneira existe, e se chama NAS (Network Acessible Storage).

Há fabricantes de NAS que incorporam em seu firmware um Linux embarcado em flash, e é bem fácil de instalá-los e administrá-los – basta acessar o IP do NAS via browser, como um roteador doméstico. Esses equipamentos permitem várias coisas além de simplesmente distribuir arquivos pela rede: teste dos HDs para verificar falhas, montagem de volumes em RAID ou strapped, integração com AD, servidor de impressão, backup em nuvem (MyCloudNAS, Amazon S3 e outros serviços do gênero).

É sempre prudente planejar uma estrutura mista de storage, com o NAS armazenando tudo localmente (alta disponibilidade) com backup failover em um serviço cloud como o S3 da Amazon (o que permite o restore em caso de perda do servidor por incêndio, roubo ou intempéries). Mas a um custo médio de R$5 mil nas versões mais simples de NAS comerciais, o risco compensa o investimento?

Faça o seguinte: compre um servidor barato, ou monte um com pelo menos uns 4GB de RAM e tudo onboard, mas com interface S-ATA RAID e instale o FreeNAS, que é uma distro baseada em FreeBSD para você configurar seu próprio NAS. Ele não deve quase nada aos equipamentos comerciais. Compre um pendrive de 4GB de boa marca e instale o FreeNAS nesse pendrive “bootável” (prática recomendada pelo desenvolvedor da distro, pois a instalação “mata” o disco inteiro para ser instalada e não permite gerenciamento das partições), e libere os discos para o armazenamento dos seus arquivos.

O gerenciamento do FreeNAS é via browser, através do seu IP (ou se tiver um DNS na sua rede pode acessar pelo nome), sendo possível criar os volumes, os RAIDs ou straps, usuários, compartilhamentos e permissões de acesso (ele permite AFS para Apple, SMB para Windows e também compartilhamentos específicos para UNIX). Também é possível agendar os testes de SMART dos discos e monitorar se é necessária manutenção ou troca dos mesmos. Também tem gráficos e estatísticas de tráfego de dados e uso de disco, e backup para iSCSI e outras modalidades de armazenamento externo e em nuvem.

O FreeNAS também tem servidor FTP, DNS dinâmico, SSH, LDAP, VLANs e outras features muito interessantes para flexibilidade dentro da maioria dos ambientes e também para ter seus dados seguros e de maneira onipresente.

Segurança na rede

Sabe aquele roteador que existe na maioria dos escritórios (e provavelmente na sua casa também)? Pois é, ele oferece uma segurança mínima, mas que não é o suficiente. É possível violar essa segurança e fazer uma boa bagunça no ambiente de rede – basta que uma máquina tenha uma vulnerabilidade, um worm, ou um malware, pois eles abrem uma brecha para ataques.

Os antivírus funcionam, mas não impedem que os usuários cliquem “naquele link do e-mail que o banco lhe enviou” (e que obviamente é fake, mas o coitado não sabe). O que fazer? Adotar um firewall mais robusto seria o ideal e a opção lógica, mas o custo de soluções comerciais baseadas em appliances é de cerca de US$2,5 mil ou mais. Se o dinheiro é problema para você (ou para o seu cliente) e você busca uma solução de segurança confiável, existem algumas opções de distros para appliances de firewall muito interessantes – e que não demandam um hardware muito robusto, dependendo da quantidade de usuários na rede.

Uma das soluções é o Endian, uma distro para configuração de appliances de firewall, que tem Iptables, OpenVPN, DHCP, antivírus, proxy e várias opções de configuração de uso, permitindo inclusive a configuração de DMZ em wireless. Com ele é possível prover um access point com uma SSID exclusiva para visitantes da empresa e totalmente isolada do ambiente de rede. A versão Community é gratuita e pode ser usada tranquilamente em um ambiente corporativo, desde que seja usada uma CPU com pelo menos 4GB de RAM e um disco rígido grande o suficiente para armazenar os logs desejados (configuráveis).

Tela de administração do Endian Firewall Community

O Endian oferece estatísticas de banda de rede (com QoS) e logs de todas as formas – a mais útil é a detecção de intrusão, que permite que máquinas que estejam rodando malwares (como no exemplo acima) sejam identificadas pelo IP e possam até mesmo ter seus MAC addresses banidos manualmente (você isola o Mac address na interface administrativa do Endian) até que o problema seja sanado pelo suporte local. E uma coisa bem interessante é poder fazer o backup das configurações e logs para que, em caso de desastre, o Endian possa ser reinstalado e as configurações sejam refeitas em menos de meia hora.

Assim como o Endian, há outras distros para appliances de firewall: IPCop e o SmoothWall – ambos têm features similares ao Endian, que aliás foi desenvolvido a partir delas.

Solução “tudo-em-um”

Se os recursos para compra de hardware são limitados (uma máquina para firewall, uma para o NAS e assim por diante), ainda assim é possível disponibilizar um appliance com todos os serviços de rede consolidados. Nem pense em colocar uma CPU velha rodando Windows e compartilhando pastinhas na rede – isso é ineficiente e uma “economia mal feita”, além de não ter segurança nenhuma e ser um pesadelo para o administrador. A maneira tradicional, via Linux, é instalar uma distro Desktop (por exemplo, o Ubuntu) com os serviços necessários (CUPS, Samba, IPTables, entre outros) e permissões de acesso. Mas e se houvesse uma maneira de fazer isso sem perda de tempo e de forma simples? Essa maneira existe e se chama Zentyal.

Ele é uma distro para appliances all-in-one baseada no Ubuntu. Com ela é possível configurar no mesmo servidor: um firewall com detecção de intrusão, um diretório (similar ao AD), um print server, um fileserver, um PABX (Asterisk), um firewall, groupware (plataforma ce colaboração on-line, backup, gerenciamento de domínios, publicação de intranets e muito mais. E o melhor: ele é totalmente flexível e expansível. Você só instala aquilo que vai usar, administra tudo via browser e pode, também, integrá-lo a uma floresta de servidores de diretório (AD) pré-existente.

Conclusão

Os puristas podem torcer o nariz para estas soluções prontas e preferirem configurar tudo sozinhos. Não tenho nada contra essa prática, mas isso gera custo, devido ao tempo gasto na configuração e manutenção (o famoso dilema “make or buy”), além de deixar o usuário “escravo” de alguns profissionais que instalam coisas que “só eles conhecem”. Penso que, eticamente, o que importa é a transparência para com o usuário, o custo (e isso envolve tempo gasto na configuração) e eficiência, que se revertem em satisfação do cliente – e indicações.

Open-source funciona e há cases de empresas grandes usando as soluções descritas aqui – basta olhar os sites dos desenvolvedores para ver que é possível usar muito bem essas soluções. Eu uso no meu dia-a-dia e recomendo-as conforme as necessidades dos meus clientes.

Já está na hora de “sair da caixa”, dar uma espiada em volta e conhecer coisa nova, porque aquelas soluções que já conhecemos bem – e custam caro – podem não oferecer aquilo que open-source já oferece hoje. Experimentar open-source é bom, é de graça e traz conhecimento!

 

por Alexandre Minoru

Google está ignorando as configurações de privacidade do Internet Explorer, afirma Microsoft

Gigante de buscas Google está fugindo configurações de privacidade de usuários do Internet Explorer, afirma a Microsoft, a empresa de informática responsável pelo browser.

Dean Hachamovitch, presidente da Microsoft, vice-corporativo para o Internet Explorer, acusou o Google em seu blog ontem e disse que o gigante das buscas foi contactado e pediu para interromper a prática.

Sr. Hachamovitch explicou que era depois de ler os relatórios que o Google estava ignorando as configurações de privacidade do navegador Safari da Apple que a descoberta foi feita.

Ele escreveu: “Quando a equipe do IE ouviu que o Google teve anuladas as configurações de usuário de privacidade Safari, nós nos perguntamos uma pergunta simples: O Google está contornando as preferências de privacidade de usuários do Internet Explorer também? Descobrimos a resposta é sim: Google está utilizando métodos semelhantes para contornar as proteções de privacidade padrão no IE e acompanhar os usuários do IE com cookies ‘.

Rachel Whetstone, vice-presidente sênior de comunicações e política, no entanto, defendeu as atividades do Google.

Ela disse: ‘Microsoft omitido informações importantes de seu blog.

‘Microsoft usa um “auto-declaração” protocolo – conhecido como “P3P” – que data de 2002, sob o qual a Microsoft pede sites para representar suas práticas de privacidade em formato legível por máquina. É bem conhecido – inclusive pela Microsoft – que é impraticável para cumprir o pedido da Microsoft, proporcionando funcionalidade web moderna. Estamos abertos sobre a nossa abordagem, assim como muitos outros sites.

“Hoje a política da Microsoft é amplamente não operacional. Um relatório de pesquisa 2010 indicou que mais de 11.000 sites não foram emissão de apólices válidas P3P, conforme solicitado pela Microsoft. ”

Google teriam sido contornar as configurações de proteção da privacidade no Safari para construir perfis de usuários da web, usando um ‘cookie’ que recolheu informação publicitária.

Safari é o navegador móvel mais popular, utilizado em todos os modelos de iPhone da Apple e iPad.Ela vem logo após grupos de privacidade da União Europeia escreveu ao gigante das buscas para pedir-lhe para “travar” uma nova política de privacidade que lhe permitiria ‘share’ entre os dados dos clientes serviços como busca, Gmail e YouTube.

Google supostamente usou um “truque” que envia uma mensagem em branco para o navegador para fazê-lo aceitar não autorizadas ‘cookies’.Apple diz que está ‘trabalhando para colocar um stop’ para a prática.O código foi descoberto por um pesquisador da Universidade Stanford Jonathan Mayer e foi relatado no Wall Street Journal.

Google desde então desativou o código, e alega que o relatório está em erro, e que os seus cookies apenas coletadas informações anônimas.

A revelação provocou revolta entre os defensores da privacidade online.

Fundação São Francisco Electronic Frontier diz: “Na esteira da polêmica decisão do Google de derrubar as muralhas de protecção da privacidade entre alguns de seus outros serviços, esta é uma má notícia para a empresa.

“É hora para que o Google reconhece que ele pode fazer um melhor trabalho de respeitar a privacidade dos usuários da web.”


Apple iPhone 4S: O navegador do smartphone Safari é o navegador móvel mais popular

Google diz que o relatório foi um erro.

“O Jornal descaracteriza o que aconteceu e por quê”, diz um porta-voz. “Nós usamos conhecido funcionalidade Safari para fornecer recursos que os usuários assinaram-no Google tinha permitido. É importante ressaltar que esses cookies de publicidade não recolhem informações pessoais. ”

“Ao contrário de outros principais navegadores, o navegador Safari da Apple bloqueia cookies de terceiros por padrão ‘, diz o porta-voz. “No entanto, o Safari permite que recursos da web para seus usuários diversos que dependem de terceiros e os cookies de terceiros, tais como« género »botões. No ano passado, nós começamos a usar essa funcionalidade para habilitar os recursos de assinado usuários do Google no Safari.

“Para ativar esses recursos, criamos um elo de comunicação temporária entre os navegadores Safari e servidores do Google, para que pudéssemos verificar se os usuários do Safari também foram assinados no Google, e tinha optado por este tipo de personalização.

“No entanto, o navegador Safari contida funcionalidade que, em seguida, habilitou os cookies de publicidade do Google para outros ser definido no navegador. Nós não prevemos que isso iria acontecer, e nós já começaram a remover esses cookies de publicidade do Safari. ”

Os reguladores europeus, escreveu recentemente ao Google, Larry Page, CEO chamando o gigante das buscas para deter o lançamento de sua nova política de privacidade.

Foi devido a entrar em vigor em 1 de março, e permitirá que o Google para compartilhar o que sabe sobre os usuários entre os serviços como o Google Search, Gmail e YouTube.

O movimento horrorizado defensores da privacidade e blogueiros – site de tecnologia ZDNet, disse que o Google “sabe mais sobre você do que sua esposa faz” e disse que a política era ‘Big Brother’.

O partido União Europeia a trabalhar para o Google pediu para parar a nova política, enquanto o grupo de trabalho investigar se os dados pessoais estão protegidos.

“Apelamos para uma pausa para assegurar que não pode haver mal-entendidos sobre os compromissos do Google com os direitos de informação dos cidadãos da UE.”

“Dada a ampla gama de serviços que você oferece, ea popularidade desses serviços, mudanças em sua política de privacidade pode afetar muitos cidadãos na maioria dos Estados-membros da UE”, escreveu o grupo no Google, Larry Page, Chefe Executivo.

Sr. Hachamovitch diz que o Internet Explorer 9 tem um recurso de privacidade adicional chamado Tracking Proteção que vai proteger os usuários de Google curiosos.

fonte dailymail

Novo cartão de crédito é praticamente à prova de roubo – mas você tem que se lembrar ainda outro código PIN

Um novo cartão de crédito protótipo de Dynamics Inc poderia ser a solução para fraude de cartão de crédito.

O cartão é alimentado por uma bateria minúscula, e gera um código de segurança diferentes (geralmente o código de três dígitos impresso na parte de trás) cada vez que é ligado. O número armazenado na fita magnética também muda – por isso não pode ser clonado, pelo menos com a tecnologia atual.

O cartão está em exibição na mostra desta semana Consumer Electronics, em Las Vegas, ea tecnologia está atualmente sob julgamento pelo Citibank.
Cartão de crédito

Número do cartão muda a cada vez é utilizado – por isso é quase impossível de clonar com a tecnologia atual. Compradores on-line basta digitar um PIN para ‘ligar’ o cartão, e ele gera um novo número que é exibido na parte da frente – este pode então ser digitado para sites com segurança

O código armazenado na fita magnética muda a cada vez é utilizado – por isso é muito difícil de clonar.

Você dizer “o cartão para ligar, inserindo um código PIN, e exibe o número. Sem o código, é inútil.

O cartão é do tamanho de um crédito normal ou cartão de débito, e no interior da bateria tem a duração de três anos.

Dynamics Inc, empresa por trás dos cartões, diz que sua “cartões alimentação” também pode ser usada para cartões que oferecem acesso a várias contas de um cartão, ou cartões que escondem uma parte do número a menos que um PIN seja inserido.

Mais …

300 funcionários na planta Xbox 360 ameaçam cometer suicídio em massa se ??exige seu pagamento não forem cumpridas

“Tudo que é preciso para roubar um número de cartão de crédito hoje é uma caneta e papel ou um leitor de cartões portátil ‘, diz fabricante Dynamics Inc, que exibiu o cartão no Consumer Electronics Show em Las Vegas esta semana.

“O cartão de crédito automaticamente escreve um novo código único de segurança dinâmica para a sua banda magnética para cada compra. A exibição também pode ser adicionado ao cartão – que substituirá os três ou quatro dígitos código de segurança fisicamente impresso em cartões tradicionais “.

Quando o cartão é ‘off’, a fita magnética não armazena o número correto – assim os ladrões não podem “desnatar” um cartão em um restaurante.

Fonte Dailymail

Conheça lista de engenheiro que acertou previsões há um século

Em 1900, o engenheiro civil americano John Elfrech Watkins fez uma série de previsões sobre os avanços do mundo no século seguinte.

Mais de um século depois, é possível ver onde ele acertou – no desenvolvimento de fotografia digital colorida, por exemplo -, ou errou – na extinção de moscas e mosquitos, por exemplo.

Como é costume a cada início de ano, a mídia é inundada de previsões sobre o que deve ocorrer nos meses seguintes.

Mas as previsões feitas em 1900 pelo obscuro engenheiro vêm circulando neste início de ano pelas redes sociais (que ele não previu), com comentários sobre seu relativamente alto índice de acerto.

Em dezembro daquele ano, no início do século XX, Watkins publicou suas previsões numa revista feminina americana, Ladies’ Home Journal, num texto intitulado ‘What May Happen in the Next Hundred Years’ (O que pode acontecer nos próximos cem anos).

Ele começa o artigo com o aviso: ‘Estas profecias parecerão estranhas, quase impossíveis’, explicando que consultou ‘as maiores instituições científicas e de ensino’ americanas sobre suas opiniões relacionadas a 29 temas diferentes.

Watkins trabalhava para o periódico ‘Saturday Evening Post’, em Indianópolis, da mesma empresa que publicava a revista.

O ‘Post’, que ainda é publicado, tirou as previsões do baú na semana passada, em um artigo de seu editor de história, Jeff Nilsson, que elogiava o alto nível de acerto de Watkins.

O artigo causou um frisson ao circular nas redes sociais nos últimos dias. Então segue aqui uma relação de algumas de suas previsões – muitas corretas, outras tantas furadas.

10 previsões que Watkins acertou…

1. Fotografia digital colorida

Watkins não usou, logicamente, o termo ‘digital’ nem previu exatamente como as câmeras digitais e os computadores funcionariam, mas ele previu corretamente como as pessoas usariam a nova tecnologia fotográfica.

‘As fotografias serão telegrafadas de qualquer distância. Se houver uma guerra na China daqui a cem anos, instantâneos de seus mais importantes eventos serão publicados nos jornais uma hora depois… As fotografias reproduzirão todas as cores naturais’, escreveu.

Para Nilsson, isso mostrou uma grande visão. Quando Watkins fazia suas previsões, levava uma semana para uma foto de algo acontecendo na China chegar às páginas dos jornais do Ocidente.

As pessoas na época consideravam a própria fotografia quase como um milagre, e a cor ainda era muito experimental, observa ele.

‘A ideia de ter câmeras colhendo informações do outro lado do mundo e as transmitindo – ele não estava simplesmente olhando para uma tecnologia presente e prevendo o passo seguinte. Foi muito além do que qualquer um estava falando naquele tempo’, disse.

Patrick Tucker, da World Future Society (Sociedade Mundial do Futuro), baseada em Maryland, nos Estados Unidos, considera que Watkins poderia até mesmo estar prevendo uma novidade futura ainda maior.

‘A frase ‘Fotografias serão telegrafadas’ parece muito como acessamos as informações na internet’, afirma Tucker.

2. Aumento da altura dos americanos

‘Os americanos serão mais altos de uma a duas polegadas’, previu Watkins.

Neste ponto, a previsão foi certeira, observa Nilsson. A altura do americano médio em 1900 era entre 66 e 67 polegadas (1,68 metro a 1,70 metro). Em 2000, essa média era de 69 polegadas (1,75 metro).

3. Telefones celulares

‘Telefones sem fio e circuitos telegráficos se espalharão pelo mundo. Um marido no meio do Atlântico será capaz de conversar com sua mulher sentada em seu quarto em Chicago. Seremos capazes de telefonar para a China quase tão rapidamente quanto conseguimos falar hoje de Nova York para o Brooklyn’, previu Watkins.

As chamadas telefônicas internacionais eram algo desconhecido na época de Watkins. Ainda levaria 15 anos para que a primeira ligação de costa a costa dos Estados Unidos, feita por Alexander Graham Bell. A ideia de telefonia sem fio era verdadeiramente revolucionária.

4. Comida pronta

‘Comida já pronta será comprada em estabelecimentos similares às nossas padarias de hoje’.

A proliferação de comida pronta sugerem que Watkins estava certo. No entanto, ele acreditava que as refeições seriam vendidas em pratos que seriam retornáveis aos locais de produção, para serem lavados e reaproveitados.

5. Desaceleração do crescimento populacional

‘Haverá provavelmente entre 350 milhões e 50 milhões de habitantes nos Estados Unidos’.

O número é muito alto, diz Nilsson, mas Watkins fez previsões na direção correta. Se a população americana continuasse a crescer no ritmo de 1800-1900, teria excedido 1 bilhão de habitantes em 2000.

‘Por outro lado, cresceu apenas 360%, chegando a 280 milhões no início do novo século’, diz.

6. Estufas nas fazendas

‘O inverno se tornará verão e a noite será dia por ação dos fazendeiros, disse Watkins, com eletricidade e grandes jardins debaixo de estruturas de vidro’.

Os vegetais serão cultivados sob luz elétrica, que cumprirá o papel da luz solar. Correntes elétricas no solo farão as plantas cresceram maiores e mais rápido. Raios de luz colorida vão impedir o crescimento de ervas daninhas. A eletricidade fará as sementes brotarem e se desenvolverem mais rapidamente’.

Grandes estufas de vidro já eram uma realidade, diz Philip Norman, do Garden Museum em Londres. Segundo Norman, ele estava correto nas previsões sobre o uso da eletricidade. Embora luzes coloridas e correntes elétricas não tenham virado realidade, elas foram provavelmente testadas.

‘Em 1956 tivemos um aquecedor de solo, para ajudar na germinação das sementes’, conta o professor

7. Televisão

‘O homem verá todo o mundo. Pessoas e coisas e todos os tipos serão vistas por meio de câmeras conectadas eletricamente em telas com circuitos, a milhares de milhas de distância’, disse.

Watkins previu câmeras e telas ligadas a circuitos, que viraram realidade com a televisão e as webcams.

8. Tanques

‘Grandes fortalezas com rodas vão cruzar espaços abertos com a velocidade dos trens de hoje’, previu Watkins.

Nilsson lembra que Leonardo da Vinci já havia mencionado isso, mas Watkins foi além.

9. Frutas grandes

‘Morangos tão grande quanto maças serão comidos por nossos tataranetos’, disse.

Muitas variedades maiores de frutas foram desenvolvidas ao longo do último século, mas Watkins foi otimista além da conta com os morangos.

10. Trem-bala

‘Trens terão velocidade de duas milhas por minuto, normalmente. Trens expressos, 150 milhas por hora’.

Exatos 100 anos depois da previsão de Watkins, os Estados Unidos irão inaugurar uma linha de trem-bala entre Boston e Washington. O trem conseguirá alcançar a velocidade de 150 milhas por hora, embora a média seja menor. Outros trens-bala ao redor do mundo ultrapassam essas velocidade.

E quatro previsões que ele errou…

1. O fim do C, do X e do Q

‘Não teremos mais C, X ou Q no nosso alfabeto. Eles serão abandonados porque são desnecessários’.

Obviamente errado, ressalta Patrick Tucker da World Future Society. Mas é notável como ele aponta os impactos da comunicação de massa no uso do alfabeto, diz.

2. Todos andarão 10 milhas por dia

‘Essa previsão é uma visão mais do que generosa do futuro da humanidade que não considera a popularidade e a conveniência de avanços nos transportes previstas’ por ele mesmo, diz Tucker.

3. Fim dos carros nas grandes cidades

‘O trafego ficará no subterrâneo ou suspenso dentro das cidades’, disse.

Embora muitas cidades abram bulevares em seus centros históricos e túneis e viadutos tenham sido construídos, a previsão não se concretizou.

4. O fim dos mosquitos

‘O mosquitos, as moscas e as baratas serão exterminados’.

Pelo contrário. Os Estados Unidos têm visto a volta dos percevejos. Talvez a previsão dê certo, mas em 2100.

Windows 8 – confira as novidades da versão.

Video do olhar digital

Sou um cientista da computação, respiro computação o dia inteiro,m as como um analista reconheci no windows 8 partes que não me agradaram.
Por mais rápido que seja a inicialização, cerca de 40 segundo ou a instalação em 27 minutos ,os usuários leigos terão uma dificuldade maior pois há partes escondidas esperando, uma tecla de atalho conhecida mas não especificada, o internet Explorer na versão 10 fez parecer a mudança do firefox em colocar o icone de fechar no lado esquerdo, o internet só colocou na parte debaixo do navegador.
A interface é a maior mudança de design desde o Windows 95. No lugar de ícones pequenos e estáticos, a tela de início é um mosaico de painéis móveis, personalizados e atualizados em tempo real, apelidados de “azulejos”. Mais que podem rapidamente enfestada por programas instalados em seu computador.
Mais nem tudo e desvantagem a possibilidades de multitarefa também foram destacadas. É possível ver vídeos e jogar caça-palavras ao mesmo tempo, ao ler notícias e tuitar com telas abertas lateralmente.

No meu caso acho que irei esperar o Windows 9
até a próxima…